Foi pesquisando sobre os melhores lugares para se mergulhar que descobrimos que existia uma ilha chamada Yap, localizada em algum lugar no meio do Oceano Pacífico. Essa foi a parte fácil. O complicado foi montar o itinerário para chegar lá. Existem vôos partindo de Guam e Palau, mas infelizmente nunca tínhamos ouvido falar desses lugares. Ou seja, foi necessário bastante pesquisa para conseguir os vôos entre Manila – Guam – Yap – Guam – Manila, mas valeu a pena!

A história de Yap vem de mais de 3.500 anos, porém foi somente no final do século XIX que os europeus chegaram na região, ficando sob domínio alemão e português até a I Guerra Mundial, passando então para domínio japonês até o final da II Guerra Mundial quando os EUA assumiram o comando do território. Em 1978 foi votada a primeira constituição dos Estados Federados da Micronésia, composta por Yap, Chuuk, Kosrae e Pohnpei. É uma nação que se estende por mais de 2.900 Km e compreende 607 ilhas.

A principal atracão é o mergulho com arraias mantas, que ficam ao redor da ilha o ano todo, mas entre os meses de novembro e março tem sua população aumentada devido ao período de reprodução. Todos os mergulhos com elas foram maravilhosos, mas o primeiro foi de arrepiar. Saímos às 8:30 da manhã em direção ao ponto de mergulho chamado de “estação para limpeza”. É uma pequena “ilha de corais” a apenas 5 m de profundidade onde as imensas arraiais de mais de 4 m de largura vão para receber um “tratamento de limpeza” por pequenos peixes, que comem as partes mortas e infeccionadas de sua pele. É como se fosse um spa para arraias. Quando chegamos, da lancha já foi possível ver 4 arraias nos esperando logo abaixo. Nos equipamos e em poucos minutos estávamos posicionados ao redor da estação vendo um desfile de 11 arraias mantas por mais de 80 minutos. Inesquecível! Fizemos 4 mergulhos nesse local e tivemos a oportunidade de vê-las em todos, em alguns elas chegavam tão perto que era preciso abaixar a câmera para não esbarrar nelas.

Outra atração é o mergulho com tubarões. O ponto se chama Vertigo e assim que chegamos já era possível ver mais de 20 tubarões rodeando a lancha. Ao mergulhar a sensação é indescritível, eles ficam nadando embaixo, acima e por todos os lados, muitas vezes chegando tão perto que até parávamos de respirar para não assustá-los. Foram dois mergulhos incríveis nesse local.

Não é só por grandes peixes que o mar de Yap é habitado. Também fizemos mergulhos onde achamos pequenos animais bem interessantes.

Mas existem também atrações fora do mar. Vale a pena um passeio pela ilha para ver os destroços de aviões da Segunda Guerra Mundial, o “dinheiro de pedra” e os pequenos povoados que ainda mantém as tradições de antepassados distantes.

A ilha era base japonesa estrategicamente localizada em uma rota obrigatória para os americanos chegarem nas Filipinas e Japão, então foi alvo de inúmeros ataques. Estima-se que mais de 30 aviões caíram na ilha e mais de 120 corpos ainda estão desaparecidos ao seu redor. Por isso, ao passear pelas estradas locais é possível encontrar muitos destroços de aviões de guerra americamos e japoneses. Existe também restos de um grande avião que sofreu um acidente na ilha na década de 1960.

O “dinheiro de pedra” é uma tradição secular. Conhecido como Rai são grandes discos com um buraco no meio, esculpidos geralmente em calcita, com até 4 m de diâmetro, sendo o menor com 3,5 centímetros. Essas pedras foram trazidas de diversas outras ilhas, tão distantes quanto Papua Nova Guiné, mas a maioria veio de Palau em tempos antigos. Seu valor é baseado no tamanho e em sua história. Os Yapaneses valorizavam os discos porque o material se parece com quartzo. No passado elas eram usadas como moeda legal e foram até obrigatórias em alguns pagamentos. O valor das pedras sempre foi alto devido à dificuldade e perigos envolvidos na sua obtenção. Para conseguí-las era necessário viajar para ilhas distantes, lidar com os habitantes locais, muitas vezes hostis, depois polir as pedras e ainda transportá-las de volta a Yap em pequenas canoas por milhares de quilômetros no Oceano Pacífico. Estima-se que existem cerca de 6.800 “moedas de pedra” espalhadas pela ilha. O povo local sabe a quem pertence cada uma das peças que ainda são usadas para trocas cerimoniais ou demonstração de amizade. Os discos de pedra podem alterar de proprietário durante casamentos, transferências de título de terra, ou como compensação por danos sofridos, por exemplo.

Foram dez dias hospedados no Manta Ray Bay Resort, um pequeno paraíso para mergulhadores. O hotel tem inclusive uma microcervejaria própria, onde passamos momentos deliciosos, conhecemos pessoas muito legais e saímos com novos amigos. A dificuldade para chegar é mais do que compensada pela beleza natural e pela hospitalidade do povo local. Valeu a pena colocar esse destino em nosso roteiro.


Comente no Facebook!

comentários