Luang Prabang é uma cidade muito charmosa, adoramos conhecer. É a segunda maior cidade do Laos com uma população de 100.000 habitantes, que você nem nota pois as ruas estão sempre tranquilas e limpas. Ela fica na confluência de dois rios que quase circundam a cidade: Mekong e Nam Khan. É uma delícia passear por suas ruelas, visitando templos de telhados dourados, decorados com mosaicos e pinturas da vida de Buda, e sendo super bem recebidos pela população local. Luang Prabang é uma mistura de casas tradicionais de madeira e de arquitetura européia, resquícios de quando Laos era parte da colônia francesa Indochina. O centrinho é cheio de cafés, restaurantes e lojinhas de artesanato e há passeios interessantes fora da cidade.

Antiga capital real, hoje Luang Prabang é o centro do Budismo no país com mais de 600 monges vivendo em seus 32 templos. Durante o dia vemos monges em duplas ou trios caminhando por toda parte da cidade. E toda manhã, bem cedo, os monges se agrupam e caminham em procissão pelas ruas da cidade coletando esmolas (seu alimento para o dia). Os habitantes locais se espalham pelas ruas para oferecer comida a eles. Os turistas que querem participar encomendam comida nos hotéis e fazem a doação também.

Alugar bicicletas é uma ótima forma de passear pela cidade pois ela é plana e pequena. São muitos templos então escolhemos alguns para visitar: Wat Mai, o morro Phou Si (que tem um templo em seu topo e de onde se vê toda a cidade),  Wat Pa Houak e Wat Xieng Thong (o monastério mais antigo da cidade).

Para jantar (ou fazer uma aula de culinária) recomendamos o restaurante Tamarind. Ele fica na beira do Rio Nam Khan e serve comida do Laos. O diferencial é que a gente recebe uma explicação sobre todos os pratos. Adoramos a comida típica, só provando para entender!

Perto da cidade fica a cachoeira Kuang Si. Ela forma algumas piscinas naturais que são super refrescantes para um mergulho no meio das tardes quentes.

Na entrada do parque fica o centro de resgate de ursos Tat Kuang Si. Eles cuidam de 23 ursos negros asiáticos que foram recuperados da caça e comércio ilegais pelo governo do Laos. A maioria chegou ainda filhote e foi salva de uma vida de tortura em “fazendas de bile” fora do Laos. Bile de urso ainda é utilizada como remédio pela medicina tradicional chinesa. O centro é financiado pela fundação australiana Free The Bears.

Também nos arredores da cidade fica o Elephant Village Sanctuary, um local que dá um novo lar a elefantes resgatados. Eles ficam livres do trabalho abusivo levando turistas passear. Há várias opções de pacotes mas escolhemos o One day mahout, que nos ensinou noções básicas de como controlar o elefante e nos deu a oportunidade de levá-los ao rio para tomar banho. Imperdível!

Primeiro subimos na cabeça do elefante para aprender os comandos de andar, parar, virar à direita, virar à esquerda, etc. No desespero de não cair lá de cima ninguém aprende nada e quem comanda o animal de verdade é seu mahout. Olhando de baixo eu achava que era fácil mas o lugar em que temos que sentar é super instável. O bicho balança aquele pescoço a cada passo e não há onde se segurar (nem cinto de segurança, rs). As pernas tiveram que trabalham para me manter lá em cima.

Depois fomos dar um passeio com um de nós sentado na cabeça e o outro na cesta. O mahout ficava no chão dando as ordens ao elefante. Os mahouts recebem seus elefantes ainda filhotes e na maioria das vezes eles ficam juntos a vida inteira, ou seja, cada elefante tem apenas um mahout. Uma grande parte do trabalho das ONGs que resgatam elefantes é treinar seus mahouts para que eles tratem bem seus animais. Nossa elefanta chamava Memo e seu mahout parecia gente boa. Ele ficava “batendo altos papos” com ela e cantando o tempo todo.

A última parte do dia foi a melhor de todas: levar os elefantes para tomar banho no rio. Eles se divertem dentro da água e eu descobri que estava em uma “elefanta-submarino”. Era a única que mergulhava toda a cabeça dentro da água e sumia! Foram momentos muito divertidos ao lado de animais maravilhosos. Experiência inesquecível!


Comente no Facebook!

comentários